Manaus, quarta-feira 10 de agosto de 2022
EnglishPortugueseSpanish
EnglishPortugueseSpanish
booked.net
EnglishPortugueseSpanish

Padaria em município do interior do Acre abriga 150 fósseis de animais pré-históricos

EnglishPortugueseSpanish
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Foto: Fabiano Maisonnave/Folhapress
*Da Redação Dia a Dia Notícia

Um policial aposentado do município acreano de Marechal Thaumaturgo, a 557 km da capital Rio Branco, conseguiu reunir um acervo de pelo menos 150 peças de fósseis de animais pré-históricos como mastodonte, preguiças-gigantes e de purussauro, o maior jacaré já existente na história da Terra. As peças estão expostas nas prateleiras de uma padaria de propriedade do ex-policial.

Entre os ossos coletados por Renato Mota, dono do estabelecimento, estão uma costela de preguiça-gigante medindo 1,35 metro, um molar de mastodonte, parente do pré-histórico mamute e do contemporâneo elefante, pesando 3,6 quilos, bem como dentes do purussauro. O animal, extinto há cerca de 5 milhões de anos, podia pesar até 10 toneladas e habitava toda a região amazônica, mais precisamente na área que hoje pertence ao Brasil, Panamá, Peru, Colômbia e Venezuela.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, Renato conta que coleciona os fósseis desde que chegou a Marechal Thaumaturgo em 1982. Segundo ele, os ossos foram encontrados principalmente em praias do rio Juruá e seus afluentes. O maior fóssil de seu acervo é a omoplata de uma peguiça-gigante, a qual pesa 32 quilos. Aos 81 anos e famoso na cidade, o idoso conta que os moradores do município levam para ele outras peças que encontram na região.

“Hoje me trouxeram esse osso de uma preguiça-gigante. Essa parte é da canela com o pé. Estavam tomando banho no rio São João e acharam”, contou enquanto mostrava o novo fóssil.

Renato conta que há anos vem tentando doar as peças, afirmando ter pedido a todos os prefeitos “para abrir um museu público, mas até hoje não consegui. Fico triste até. Depois de tantos anos coletando essas coisas, vou embora e não tem um local adequado para deixar para o público”.

A paleontóloga Lucy Souza, do Museu da Amazônia (Musa), localizado na capital amazonense Manaus, analisou o acervo de Renato e o considerou “muito relevante”.

“Há fosséis muito bem preservados, principalmente de preguiças-gigantes. Vi uma mandíbula de mastodonte completa. Isso é um registro que precisa ser estudado e pode complementar nosso conhecimento sobre esses animais do passado amazônico”, afirmou Lucy.

A pesquisadora ressaltou que a localidade onde os fósseis foram encontrados é pouco explorada e que “esses registros ajudam a gente a entender a distribuição das espécies, as variações que podem existir na anatomia delas”.

*com informações de Folha de S. Paulo
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Entre no nosso Grupo no WhatsApp

Antes de ir, que tal se atualizar com as notícias mais importantes do dia? Acesse o WhatsApp do Portal Dia a Dia Notícia e acompanhe o que está acontecendo no Amazonas e no mundo com apenas um clique