Manaus, quarta-feira 10 de agosto de 2022
EnglishPortugueseSpanish
EnglishPortugueseSpanish
booked.net
EnglishPortugueseSpanish

Moraes contraria PGR e nega arquivar inquérito contra Bolsonaro por vazamento de dados sigilosos da Polícia Federal

EnglishPortugueseSpanish
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Ministro do STF Alexandre de Moraes. Foto: Nelson Jr/SCO/STF
*Da Redação Dia a Dia Notícia

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes negou hoje (05/08) o arquivamento do inquérito que apura o suposto vazamento de informações sigilosas da Polícia Federal (PF). O pedido de arquivamento foi feito na segunda-feira (01º/08) pela vice-procuradora, Lindôra Araújo, que reiterou outro pedido de arquivamento do caso, requerido pelo procurador-geral da República, Augusto Aras, em fevereiro deste ano.

Lindôra afirmou que a jurisprudência do STF é clara no sentido de que o pedido de arquivamento feito pela procuradoria deve ser acatado automaticamente por Alexandre de Moraes, relator do inquérito. Além disso, a procuradora disse que o ministro determinou diligências após o pedido de arquivamento.

Entenda

O caso trata da transmissão, ao vivo pelas redes sociais, realizada em agosto do ano passado, em que o presidente Jair Bolsonaro divulgou informações sobre o inquérito da PF que apura a invasão aos sistemas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2018.

De acordo com a Polícia Federal, os documentos sobre o caso foram entregues pelo delegado Victor Feitosa Campos ao deputado federal bolsonarista Filipe Barros (PL-PR), supostamente para tratar da questão da PEC do Voto Impresso, da qual era relator. O parlamentar, contudo, entregou os documentos ao presidente Jair Bolsonaro. A delegada Denisse Ribeiro afirmou que objetivo era endossar a narrativa do chefe do executivo de que as urnas eletrônicas não seriam seguras.

“Filipe Barros deu destino diverso à documentação, entregando-a, entre outras pessoas, ao Senhor Presidente da República, a fim de municiá-lo na narrativa de que o sistema eleitoral brasileiro, de votação eletrônica, era vulnerável e permitiria fraudar as eleições, embora o escopo do inquérito policial nº 1361 fosse uma suposta invasão a outro sistema do Tribunal Superior Eleitoral, não guardando relação com o sistema de votação alvo dos ataques”, diz a delegada.

Os dois, em seguida, promoveram uma live na página do presidente no Facebook para apresentar as supostas provas da vulnerabilidade das urnas. O ajudante de ordens de Bolsonaro, tenente Mauro Cid, divulgou a íntegra do inquérito por intermédio do irmão na conta do presidente. Desde o episódio, Bolsonaro afirma que a investigação não estava sob sigilo. Ao decidir a questão, Moraes disse que o questionamento da PGR está fora do prazo.

“Em quatro das cinco oportunidades de atuação do Ministério Público, a Procuradoria Geral da República manifestou-se por meio da Dra. Lindôra Maria Araújo, vice-procuradora-geral da República, que, por meio de sua ciência, concordou com as referidas decisões, inexistindo a interposição de qualquer pedido de reconsideração, impugnação ou recurso no prazo processual adequado”, decidiu.

*com informações de Agência Brasil e Poder360
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Entre no nosso Grupo no WhatsApp

Antes de ir, que tal se atualizar com as notícias mais importantes do dia? Acesse o WhatsApp do Portal Dia a Dia Notícia e acompanhe o que está acontecendo no Amazonas e no mundo com apenas um clique